• Mundo
  • Notícias
  • Conselho de Ética do Banco Mundial informa que não tem poder para barrar indicação de Weintraub

Conselho de Ética do Banco Mundial informa que não tem poder para barrar indicação de Weintraub

1 ano ago
231

O conselho de ética do Banco Mundial (Bird) disse que não tem poder para suspender o processo de indicação de Abraham Weintraub para diretor executivo da organização, mas alerta que o ex-ministro será cobrado pelos mais altos padrões de integridade e ética em sua conduta pessoal e profissional, caso assuma o cargo.

O presidente do conselho, Guenther Schoenleitner, respondeu nessa quarta-feira (24) à uma carta aberta da Associação de Funcionários do Banco Mundial, que pedia a suspensão do processo de nomeação de Weintraub até que investigações criminais sobre racismos contra ele sejam concluídas. Foi a primeira vez que a associação enviou uma carta de descontentamento pela indicação de um diretor executivo na história da organização, fundada em 1944.

Segundo carta-resposta do conselho obtida pela CNN, para ser eleito, Weintraub precisa da maioria dos votos da cadeira que o Brasil compõe com outros oito países (Colômbia, Equador, Trinidad e Tobago, Filipinas, Suriname, Haiti, República Dominicana e Panamá) na organização. Nem mesmo a administração do Banco Mundial pode interferir no processo de indicação e eleição de diretores executivos, uma vez que eles não são funcionários da organização, mas representantes dos acionistas, países que integram o Bird.

Na atual composição da cadeira, o Brasil possui o maior porder de voto nesse círculo eleitoral. “Isso significa que, mesmo que os membros restantes do círculo eleitoral não indiquem ou votem no candidato, ele poderá ser eleito e serviria como Diretor Executivo até o final do mandato atual em 31 de outubro de 2020” – disse Schoenleitner na carta.

Pelas atuais regras do Banco Mundial, a única forma de Weintraub não assumir o cargo é se o ministro da Economia, Paulo Guedes, que o indicou, votar contra ele.

O Comitê informou, no entanto, que compartilha do compromisso do Banco Mundial de eliminar o racismo na instituição e assume seriamente sua responsabilidade, destacando que, a partir do momento em que Weintraub se tornar um funcionário do conselho, estará sujeito ao Código de Conduta para Funcionários do Conselho.

O documento exige que funcionários do conselho mantenham os mais altos padrões de integridade e ética em sua conduta pessoal e profissional. “Como todos os outros funcionários ele será informado sobre suas obrigações, inclusive no que diz respeito a declarações públicas e não interferência nos assuntos políticos dos membros” ressaltou Schoenleitner.

Fonte: CNN Internacional

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *